Uma volta no veículo de defesa Iveco LMV que atuará no Exército Brasileiro

Iveco LMV já foi selecionado para servir no Exército Brasileiro ao lado do irmão Guarani

Atuando como jornalista especializado desde 2003, já tive oportunidade de dirigir diversos tipos de carros. Passando pelos populares, carros de luxo, esportivos e até caminhões leves. Não importa que modelo seja, o entusiasmo e dedicação é sempre o mesmo. Porém, na última semana tive uma experiência diferente de tudo que já dirigi ao guiar o Iveco Ligth Multirole Vehicle ou simplesmente LMV. Para quem não está familiarizado, LMV é nome do veículo de defesa que será produzido em Sete Lagoas (MG), pela Iveco Veículos de Defesa. O modelo já foi selecionado pelo Exército Brasileiro e servirá ao lado do Guarani já produzido na unidade mineira.

Iveco LMV

Ao entrar no Iveco LMV o primeiro obstáculo é pegar o jeito para abrir as pesadas portas blindadas de vidros duplos também blindados. Ao acomodar-se no banco não há ajustes, a não ser o da coluna de direção que tem ajuste de profundidade. Feito isso e com o cinto de quatro pontos afivelado. Começo a receber instruções para guiar o modelo.

Diferentemente de um carro normal, onde a partida basicamente se dá com um giro na chave no contato, no LMV são necessárias de três a quatro ações para acordar o “bicho”.

Parece avião

Basicamente, recebemos instruções dos comandos que são usados para ligar o LMV. Mas, a sensação é que você está sentado diante a cabine de um avião. À direita do condutor há um painel com dezenas de comandos, entre eles está o de seleção de tipo de terreno que foi um dos poucos que memorizei. Um pouco acima está o sistema de rádio. Aliás, para que o motorista se comunique com os quatro ocupantes são necessários fones e microfones. O motorista e o passageiro dianteiro ficam praticamente isolados. Não há contato visual entre eles em função dos equipamentos.

Os velocímetros são analógicos e a pedido do exército foi instalado um marcador digital mostrando a quantidade de combustível no tanque.

Bancos suspensos

Além de toda a blindagem da carroceria, uma chapa de aço balístico fica instalada sob o assoalho para diminuir o impacto das minas terrestres. Desse modo, os bancos não são fixados no assoalho e ficam suspensos e fixados por colunas que descem do teto e se prendem nas laterais do veículo. Assim em caso do veículo sofrer o impacto de uma mina terrestre os ocupantes sentirão menos os efeitos da explosão. Os bancos e os cintos de quatro pontas cumprem sua função de deixar o corpo dos ocupantes bem presos ao assento.

Conforto

Com todo o peso da carroceria por conta de sua blindagem, a direção é assistida hidraulicamente que facilita a condução. Apesar de ser um veículo rústico, o LMV oferece o conforto do ar-condicionado, os soldados agradecem, uma vez que as fardas e coletes são uma fonte de calor considerável.

Tamanho

O Iveco LMV tem 4,86 metros de comprimento; 2,20 m de largura; 3,23 m de entre-eixos e 2,10 m de altura. Já o ângulo de ataque dianteiro é de 54° e de saída é de 44°.

Andando

Confesso que antes de arrancar com o Iveco LMV eu não tinha ideia de se teria alguma dificuldade para guiar o veículo de defesa. Mas, logo na primeira acelerada, fica evidente que o “bicho” é fácil de “domar”. A sensação é que se está no comando de um caminhão baú carregada.

Como não há visão pelo retrovisor interno, os laterais externos cumprem bem sua função e ajudam bem nas manobras.

Claro que alguns cuidados devem ser tomados, pelo centro de gravidade mais alto, não é prudente entrar em velocidades mais altas nas curvas. No asfalto fomos orientados a fazer curvas no máximo a 60 km/h por hora. Mas, um executivo disse que depois que se pega confiança dá para chegar a 90 km/h nas curvas.

Asfalto

No asfalto, o LMV não é um modelo confortável para se guiar e nem se pode esperar tal condição num veículo de defesa. Todos os equipamentos são difusores de barulho e a cabine chacoalha bastante.

O motor 3.0 da FPT de 220 cv dá conta do recado trabalhando em conjunto com o câmbio automático de seis velocidades permite retomadas de velocidade dentro do esperado na proposta do modelo.

Em testes de freio, já saímos da curva com o pé no fundo para entrar a mais ou menos 90 km/h. Nisso ao chegar no ponto, só escuto a ordem “freia”, de pronto atendi e o LMV para quase que instantaneamente sem desviar de sua trajetória.

Na terra

Na terra, a situação muda de figura e o Iveco LMV fica divertido de conduzir. Mesmo com o piso todo irregular da pista, o modelo fica mais confortável e a sensação é que a suspensão fica bem mais acertada nesse tipo de piso. Até mesmo quando se pisa um pouco mais no acelerador, o comportamento não muda e os sacolejos são minimizados e passam despercebidos.

“Ajudinha” eletrônica

Tudo graças aos recursos tecnológicos como o controle eletrônico de estabilidade (ESP) que melhora a condição off-road em terrenos irregulares. A suspensão independente contribui para a boa performance não importando o terreno. Os pneus off road também receberam atenção especial e contam com sistema automático de calibragem.

Enfim, tudo que é divertido dura pouco chegou a hora de passar o volante do LMV para o próximo colega dirigir.

Fonte: autossegredos.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *